quarta-feira, 9 de abril de 2008

A JUSTIÇA DE DEUS DE FÉ EM FÉ


Como o Bom Pastor, Jesus Cristo deu a Sua vida pelas suas ovelhas na cruz do calvário, cumprindo toda a justiça de Deus, como Ele mesmo disse: "Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas". Jo 10.11.

A justiça de Deus se revela no Evangelho de fé em fé...

É como disse o apóstolo Paulo assim: “Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá pela fé. (...) De sorte que, a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” . Rm 1.17; 10.17.

Como definição, a fé é a confiança oriunda do coração, da alma, e não apenas uma aceitação de crença intelectual. A verdadeira fé implica em o ser e disposição da alma para confiar plenamente em outra pessoa, inclusive na sua palavra. Portanto, a fé cristã é uma completa confiança em Cristo, na Sua Palavra, pela qual se realiza a união da alma com o Seu Espírito, num desejo sincero de viver a vida que Ele aprova, de acordo com a Sua soberana vontade, nos ditames do Evangelho. Por isto que a Bíblia diz: “...sem fé é impossível agradar a Deus” Hb 11:6b. “Ora, a fé é a certeza das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem”. Hb 11:1.

Alguns tipos de fé:

Encontramos mais de um tipo de fé, a saber: a) Fé emocional ou temporária; b) Fé histórica ou tradicional; c) Fé de milagres ou miraculosa; d) Fé viva ou verdadeira; e) Fé intelectual; f) Fé morta ou sem obras; g) Fé salvadora.

a) Fé emocional ou temporária

É a fé momentânea que atinge somente o “eu” emocional do ser humano, sem descer ao coração do pecador, portanto, não gerando arrependimento, transformação e o novo nascimento. É como disse Jesus em Mt 13:19-20: "Ouvindo alguém a Palavra do reino, e não a entendendo, vem o malígno, e arrebata o que foi semeado no seu coração, este é o que foi semeado ao pé do caminho; porém o que foi semeado em pedregais é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria (emoção); mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração; e, chegando a angustia e a perseguição, por causa da palavra, logo se ofende”. Portanto, não permanece na fé, e logo volta para o mundo de onde veio, conforme disse o apóstolo Pedro em: 2ª Pe. 2:22b: “(...) O cão voltou ao seu próprio vômito, a porca lavada ao espojadouro de lama”. Com isto fica provado que o falso crente, inconverso, que não era uma ovelha de Jesus, a qual não gosta de lama pecaminosa, voltou para o seu própro lugar do lamaçal do pecado...

b) Fé histórica ou tradicional

O exemplo maior da fé histórica está no Evangelho de João, quando os judeus reinvidicaram a fé tradicional no pai Abraão, dizendo: “Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu (Jesus), sereis livres? Disse Jesus: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. Se fôsses filhos de Abraão, farieis as obras de Abraão... vós fazeis as obras do vosso pai (...). Vós tendes por pai o diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio (...) e não há verdade nele (...) porque é mentiroso, e pai da mentira. Mas, porque digo a verdade, não me credes”. Jo 8:24-51. Portanto, os judeus rejeitaram Jesus, reinvindicando a fé tradicional e histórica, crendo na mentira do diabo e não na verdade do Filho de Deus. Esta fé tradicional não salva.

c) Fé de milagres ou miraculosa

Esse tipo de fé, atualmente, é muito explorado pelos falsos ”missionários”, obreiros mercenários, curandeiros, que exploram a boa fé das pessoas simples, vendendo até mesmo produtos religiosos mágicos, etc. Ler: 2ª Pe. 2:1-4. Devido às grandes carências dos pobres necessitados, esse tipo de clientela tem sido grandemente enganada pelos tais. Também, no tempo de Jesus muitos O seguiam por causa dos milagres, mas, no final do "duro discurso de Jesus sobre o Pão da vida", só doze discipulos ficaram com Ele, depois do sermão e da multiplicação dos pães. Jo 6.60-71. Por último, um dos doze, Judas Iscariotes, O traiu.Veja como Jesus disse: “ Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas, porque comestes do pão e vos saciastes. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará, porque a este o Pai, Deus, o selou”. Continuou Jesus falando e disse: “(...) Eu sou o pão (espiritual) que desceu do céu, ...aquele que crer em mim tem a vida eterna, (...) Eu sou o Pão da vida”. Quando ouviram isso disseram: “Duro é este discurso; quem o pode ouvir? (...) muitos dos seus discipulos tornaram para trás, e já não andavam com Ele. Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe Simão Pedro: para quem iremos nós? Tu tens as palavras de vida eterna”. Jo 6:22-71. Outros casos estão registrados na Bíblia, por exemplo: Cura dos 10 leprosos, só um voltou para agradecer a Deus, este foi salvo. Lc 17:11-19; Cura do filho dum régulo: Jo 4:47-54. Muitos seguiam a Jesus pela vida material, e não aceitaram o convite de Jesus para renunciar a vida presente. Ler: Lc. 14:12-24. Muitos hoje em dia, só seguem a Jesus para ter boa vida social e pelos bens materiais, não querem “tomar a cruz, cada dia, e seguir a Jesus. Lc 9:23-25; 14:33-34. “O Deus deles é o ventre”, como disse o apostólo Paulo: “São inimigos da cruz de Cristo”. Leiam: Mt 6.24-34; Fil 3:18-19.

d) Fé viva ou verdadeira

È a fé que é autenticada pelas obras e pelo testemunho de uma vida transformada, integralmente. Como disse o apóstolo Paulo: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é ; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”. II Cor 5:17. Ela é a gênesis do novo nascimento para uma nova vida em Cristo Jesus, conforme está escrito: “Jesus respondeu a Nicodemos: Na verdade, na verdade, te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito ...necessário vos é nascer de novo”. Jo 3:5-7.

e) Fé intelectual dogmática.

É aquela fé que alguem crer, somente, em um sistema religioso, num credo dogmático, anatematizador, sem experiência de novo nascimento ou de regeração. É uma crença só na mente e não na alma, no "ego", sem trnsformação e mundaça de mente e comportamento. Exemplo: Um príncipe rico que teve um encontro com Jesus dizia que guardava, religiosamente, todos os mandamentos desde a sua mocidade, mas, quando Jesus disse que desse todos seus bens aos pobres e O seguisse, ele se entristeceu e voltou para sua vida religiosa tradicional. Vejamos em: Lc 18.18-30. "E perguntou-lhe um dos principais: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna? (...) Sabes os mandamentos: (...) Replicou o homem: Tudo isso tenho guardado desde a minha juventitude". (...) Quando Jesus ouviu isso, disse-lhe: Ainda te falta uma coisa: vende tudo quanto tens e reparte-o pelos pobres, e terás um tesouro no céu, e vem, segue-me. Mas, ouvindo ele isso, encheu-se de tristeza, porque era muito rico. E Jesus, vendo-o assim, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!" Lc 18.18, 22-24.

f) Fé morta ou sem obras

Como Tiago disse: “Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta”. Tg. 2:26. A Fé morta, é a fé teórica produzida simplesmente pela filosofia intelectualizada da mente humana, sem a interferência do Espírito Santo. Veja o que Paulo diz neste sentido: “A minha palavra, e a minha pregação, não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus”. 1ª Cor 2.4-5. A fé sem obras por sí mesma é morta, como disse Tiago: “Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma; (...) assim também a fé sem obras é morta.” Tg 2:4, 17. A fé morta não salva, como disse Jesus: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade”. Mt 7.22-23. Fé de milagres sem salvação, porque era misturada com a iniquidade!!! Muitos, vendo os sinais que Ele fazia, creram no Seu nome, mas, sem arrependimento. (...) Mas o mesmo Jesus não confiava neles, porque a todos conhecia. Jo 2:23,24. Outros criam, intelectualmente, mas, não O confessavam: (...) muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus... Jo 12:42,43. Outros criam, superficialmente, mas, na hora da provação se desviam: (...) mas, como não têm raiz, apenas crêm por algum tempo, e no tempo da tentação se desviam. Lc 8:13. Simão Mago creu e foi batizado “mas seu coração não era reto diante de Deus”... Simão creu por causa dos milagres, mas não se converteu. At 8:12-22. Como disse o apóstolo Pedro: “(...) entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão heresias de perdição (...), e muitos seguirão (...), pelos quais será blasfemado o caminho da verdade, e por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas (...) e sua perdição não dormita” 2ª Pe 2:1-3. O crente genuino faz boas obras porque é salvo, e não para ser salvo. (Ef 2.10).

g) A fé Salvadora

Esta é a fé genuina que salva o pecador. É a fé como confiança, verdadeira, que salva o pecador arrependido da condenação eterna, quando crer sinceramente em Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador, com consequente segurança eterna. Exemplos: Disse Jesus: “De fato a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer, tenha a vida eterna; e Eu o ressuscitarei no último dia. (Jo 6:40). Em verdade, em verdade vos digo: Quem crê, tem a vida eterna”. Jo 6:47. A indagação do carcereiro de Filipos, sobre a fé salvadora, está em Atos 16:30: “(...) que é necessário que eu faça para me salvar? A resposta certa está em Atos 16:31, “(...) crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo, tu e a tua casa”. E é de graça porque o preço da redenção dos pecados já foi pago na cruz do calvário por Jesus, conforme está escrito: “Porque, pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” Ef 2:8-9. Na obra perfeita e suficiente de Jesus Cristo na cruz, foi cumprida toda justiça que Deus exigia e exige de nós, dando-nos eterna segurança, como Jesus disse em Jo 10:28-30, assim: “...Dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai”. Também o apóstolo Paulo reafirma dizendo: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito Rm 8:1
(...) Quem intentará acusação comtra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica; quem os condenará? Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está a direitoa de Deus, e também intercede por nós". (Rm 8.33-34) . Esta é a fé salvadora que salva eternamente o pecador arrependido. (Rm 8).

2 comentários:

Leci disse...

Pastor Djalma, Gostei muito do comentario sobre a fé. Aprendi sobre uma relação de fé que as vezes não percebemos. Que Deus continue usando a sua vida.

Leci.

Djalma Pereira disse...

Obrigado Leci pelo seu importante comentário.
Deus lhe enriqueça mais e mais no conhecimento da sã doutrina do Evangelho da graça de Deus.At 20.24
Como está ecrito:"Porque pela graça sois salvos por meio da fé;e isto não vem de vós, é Dom de Deus; não vem das obras, para ninguem se glorie. Ef 2.8-8.
Fraternalmente Pr Djalma