quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

As igrejas militantes locais




As igrejas locais como expresxsão visível do Corpo de Cristo.


A Igreja de Cristo universal se manifesta nas igrejas militantes locais como expressão visível do Corpo de Cristo em cada localidade.

Como essa Igreja única, indivisível passou a ser chamada de "Igrejas de Cristo" no plural, como está escrito: "(...) as igrejas de Cristo vos saúdam" (Rm 16.16b)?. A resposta simples é: porque aquela Igreja única, invisível, agora se manifesta visivelmente em cada localidade, sem limitação geográfica, mesmo sendo com dois ou três, reunidos no nome de Jesus, em qualquer localidade, assim: (...) E, se não escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Tambem vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acêrca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou no meio deles", (Mt.18:17-20).

Estas Igrejas tem a marca histórica do toque da mão humana, com todas as suas virtudes e seus defeitos. É como Jesus explicou na parábola do "do trigo e do joio". Ele é quem vai fazer a limpeza e a separação final naquele grande dia. (Mt.13:40-43)

Convém observar que em Mt.16:18, a Igreja é espiritual, invisível e única, porém, em Mt.18:17, esta Igreja local organizada trata de problemas, pode ser ouvida, tocada, exortada e disciplinada e, até mesmo, diferenciada de acordo com as suas peculiaridades e necessidades.

Em Apocalipse nos capítulos 2 e 3, o Senhor Jesus se dirige a cada Igreja, através do anjo de cada Igreja local, sempre considerando a necessidade de cada localidade, e termina advertindo-as que ouçam o que o Espírito diz as igrejas (no plural). Como consta em cada igreja local citadas no livro de Apocalipse, assim: "(...) Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas". (Ap 2.7a, 11a, 17a, 29, 3.6, 13, 22). Note-se que essa é a mesma expressão que Jesus usou na parábola do trigo e do joio, em Mt 13.43b. "(...) Quem tem ouvido para ouvir, ouça". Então, a exortação é feita às Igrejas no plural, e não à Igreja no singular. Resta-nos ouvir o Espírito Santo, a Palavra de Deus, e por em prática.

Watchman Nee, em seu livro “A vida normal da igreja”, escreveu: "Temos entre nós, dois aspectos da Igreja claramente diferentes: a Igreja e as Igrejas, a Igreja Universal e as Igrejas locais. A Igreja é invisível; as Igrejas (locais) são visíveis. A Igreja não tem organização; as Igrejas são organizadas. A Igreja é espiritual; as Igrejas são espirituais e, também, físicas. A Igreja é puramente um organismo (o corpo místico de Cristo); as Igrejas são um organismo, mas, ao mesmo tempo, são organizadas, o que se vê pelo fato de que os presbíteros e os diáconos desempenham ofícios ali...todas as dificuldades da Igreja surgem em conexão com as Igrejas locais, não com a Igreja universal. Esta é invisível e espiritual, portanto, além do alcance humano, enquanto aquelas (locais) são visíveis e organizadas, portanto, ainda sujeitas ao toque da mão humana... estando tão próximas de nós que, se surgirem problemas, nós os sentimos agudamente" .

O Senhor Jesus ensinou que os membros visíveis de Seu Corpo, a Igreja, quando congregados em qualquer lugar, até mesmo numa casa familiar, seria a expressão da vida, da glória e da santidade de Seu Corpo místico, em qualquer espaço físico (At.12:5,12; Rm.16:5; Cl.4:15; Fm.1:2).

Portanto, a Igreja universal - a esposa do Cordeiro de Deus, Cristo - (Ap.19:7-9; 21:9-27), que agora existe, invisivelmente, nas igrejas locais, somente, será rerevelada após a primeira ressurreição, quando todos os que fazem parte dela serão, ressuscitados, transformados, e arrebatados na Segunda vinda de Jesus Cristo, como Igreja Triunfante (1ª Ts.4:13-18), e que na terra se manifesta visivelmente, como igrejas de Cristo militantes, no processo de sua peregrinação e história, expressando a imagem, a glória e a vida do Filho de Deus, assim como Jesus expressou a imagem exata do Pai celestial aqui na terra, como Filho do Homem (Jo.14:8-9; Mt.5:13-16, 7:15-23; At 1.11; 2ª Co.3:18; Cl.1:15; Hb.1:3; Ap. 1.7; 22:17). (Continua).

Um comentário:

pbMarciel.A.D disse...

A Paz de Cristo amado, parabens pelo comentário, gostei muito, DEus continui lhe abençoando.